Frota começa a operar com QR Code no sábado

Toda a frota de ônibus de Campinas começa a operar a partir de sábado (16/9) com o QR Code (sigla de Código de Resposta Rápida, em inglês). Além de ser mais uma opção para pagamento de tarifa, a iniciativa busca tornar mais ágil o embarque de passageiros e aumentar a segurança nas viagens.

O QR Code permite ao usuário pagar as suas viagens em dinheiro mediante aquisição de tíquetes com a tecnologia baseada na leitura de um código bidimensional. Inicialmente os tíquetes serão vendidos em papel, e também já está em teste a venda por aplicativo para smartphones.

“Além de ser mais uma opção para pagamento de tarifa, a iniciativa busca tornar mais ágil o embarque de passageiros e aumentar a segurança nas viagens”, informa Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Transurc. Para os profissionais das concessionárias, a tecnologia permite que o motorista se concentre em dirigir, eliminando a necessidade de cobrança de tarifa em dinheiro, ampliando também a segurança no trânsito. “Com o QR Code, a Transurc dá um novo passo para a modenização do sistema e melhoria no atendimento aos passageiros”, afirma. O investimento inicial no projeto foi de R$ 1,5 mil por equipamento. Atualmente, a frota das concessionárias é composta por 974 ônibus, o que representa um investimento de R$ 1,46 milhão.

Nos próximos três meses, haverá um período de transição, em que o dinheiro ainda será aceito dentro dos ônibus, mas após esse período o pagamento da tarifa será integralmente desembarcado. Para dar suporte à compra do tíquete, inicialmente as vendas serão feitas nos postos da Transurc nos terminais de ônibus, nas unidades do Poupatempo Centro e Campinas Shopping e em 14 pontos da rede credenciada. Gradualmente, a facilidade será levada para os demais 330 pontos comerciais integrantes da rede de recarga, com pontos de vendas em shoppings, farmácias, lojas e outros estabelecimentos comerciais.

Em Sousas e Joaquim Egídio, o sistema já opera desde janeiro de forma bem-sucedida nos ônibus da Coletivos Pádova. “Esse período de operação em caráter piloto foi importante para compreendermos melhor o funcionamento do sistema e fazer os ajustes necessários. A partir de agora, a tecnologia estará disponível em toda a cidade”, afirma Barddal.
Semelhante a um comprovante de compras, o código gerado no tíquete de papel é escaneado por um leitor instalado no validador da catraca. Cada tíquete, no valor de R$ 4,50, pode ser utilizado apenas uma vez.