Concessionária investe R$ 10 milhões na compra dos veículos zero quilômetro

A Expresso Campibus, empresa concessionária do transporte coletivo urbano de Campinas e que opera na área 2 da cidade (região do Campo Grande), investiu R$ 10 milhões na aquisição de 40 ônibus adaptados que garantem mais conforto e segurança aos cerca de 46 mil passageiros que utilizam diariamente as linhas 2.13, 2.21, 2.22, 2.31, 2.53 e 2.60.

“Os veículos foram 100% financiados por meio da linha de crédito Finame do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES)”, afirma Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), entidade à qual a Campibus é associada. A frota da Campibus conta com 163 carros, com média de idade de 3,49 anos.

Os novos veículos têm chassis Mercedes-Benz OF 1722 e carroceria Comil Svelto, dotada de elevador lateral, além de todos os elementos de acessibilidade requeridos pelo Inmetro, como piso antiderrapante e bancos com demarcação especial para idosos, gestantes, obesos e pessoas com deficiência. “É mais uma prova da importância que as concessionárias do transporte dão à acessibilidade e ao conforto dos usuários do sistema. Após a inserção dos novos veículos adquiridos pela Campibus, 44% de toda a frota operante na cidade é acessível”, completa Barddal. Os novos carros contam, também, com ventiladores nos postos do motorista e do cobrador.

Vale ressaltar que, além da frota de adaptados, as concessionárias disponibilizam para a cidade 25 vans e dois ônibus do Programa de Acessibilidade Inclusiva (PAI), que realizam o transporte gratuito de pessoas cadastradas no programa que têm dificuldades de locomoção temporária ou permanente.

O Expresso Bilhete Único tem sido uma excelente alternativa aos usuários do transporte coletivo urbano de Campinas que desejam fazer o cadastro para o Bilhete Único Comum, a recarga e a consulta desse tipo de cartão. O micro-ônibus está estrategicamente posicionado na Avenida Moraes Salles, em frente da sede da Guarda Municipal, desde setembro do ano passado e apresenta números crescentes de cadastramento de novos cartões.

“A população está aderindo cada vez mais ao Bilhete Único. Em dezembro de 2011, por exemplo, tivemos 485 cadastros de novos BUs feitos no Expresso Bilhete Único. Já em janeiro e fevereiro deste ano foram 627 e 633 cadastros respectivamente”, afirma Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc).

No micro-ônibus o Bilhete Único Comum é feito na hora e o usuário já sai podendo usufruir os benefícios do cartão. “Hoje, não existe qualquer tipo de burocracia para fazer o Bilhete Único Comum. O cadastro é realizado sem qualquer custo, a emissão do BU é feita na hora e a própria recarga, que pode ser feita com o valor que o cliente desejar, é possível em mais de 300 pontos da Rede de Representantes Credenciados da Transurc, além dos terminais e do Poupatempo Centro”, explica Barddal.

Como fazer – para efetuar o cadastro, o interessado precisa levar apenas a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) ou a carteira de identidade (RG) e o CPF. Além disso, quem utiliza o Bilhete Único pode recuperar os créditos em caso de perda, roubo, furto ou inutilização do cartão. Basta entrar em contato com a Transurc pelo 0800 014 02 04, pedir o bloqueio do cartão original e solicitar a emissão de uma segunda via. O saldo do cartão antigo será automaticamente transferido para o novo.

A Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) cadastrou 41.072 alunos interessados em obter o benefício do desconto de 60% sobre a tarifa vigente propiciado pelo Bilhete Único Escolar. “A Transurc fez, no final do ano passado, o adiantamento de 15 mil cadastros de estudantes que já tinham o Passe Escolar e iriam utilizá-lo no ano letivo de 2012. Nossa expectativa é de que esse número chegue próximo de 60 mil até o final deste ano”, afirma Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da associação.

O primeiro passo para obter o benefício é retirar e preencher o formulário Atestado de Matrícula para Aquisição de Passe Escolar. “Ele está disponível desde nos postos de venda localizados na sede, nos terminais Central, Barão Geraldo, Ouro Verde e Campo Grande, além do site www.transurc.com.br. O horário de atendimento em todos os postos é das 8 às 17 horas, de segunda a sexta-feira”, explica Barddal.

Após o preenchimento do formulário, o interessado deve ir até a escola onde está matriculado, colher um carimbo e a assinatura do responsável pelo estabelecimento de ensino e anexar os documentos solicitados.

“O formulário preenchido pelo estudante, assinado pelo responsável da escola, deve ser entregue na sede da Transurc ou em um dos postos localizados nos terminais onde o aluno retirou o formulário”, diz o diretor. O estudante deve anexar original e cópia de um comprovante de residência recente (dos últimos seis meses) e da Cédula de Identidade ou Certidão de Nascimento (para menores de 14 anos que não têm a carteira de identidade).

A Transurc realizará a checagem dos dados e, em 15 dias, o usuário deve retornar ao local em que entregou o formulário para retirar a Caderneta de Frequência. A caderneta é o documento que garante que o estudante continua matriculado na escola. Mensalmente, o aluno apresenta a caderneta na escola que é carimbada e assinada pelo diretor. “Esse procedimento é imprescindível para que o estudante possa continuar comprando o Passe Escolar com 60% de desconto e serve para coibir fraudes”, completa Barddal.

A Banca da Vó certamente faz parte da história de milhares de campineiros. Situada na movimentada Avenida Senador Saraiva, a banca é parada obrigatória daqueles que querem saber as notícias do dia, conhecer as fofocas das novelas e, por que não, recarregar os créditos do Bilhete Único. A Banca da Vó faz parte da Rede de Representantes Credenciados da Transurc há quase oito meses e, para a surpresa de Antonia Barbieri de Oliveira, proprietária, a recarga de créditos já virou o carro-chefe do estabelecimento. “Tenho jornais, revistas e uma parte completa de bombonière, mas o produto de destaque da banca é a recarga do Bilhete Único. É a maior demanda entre todos os produtos; chego a atender até 300 clientes em um só dia”, revela.

A Rede de Representantes Credenciados conta com mais de 300 equipamentos distribuídos por Campinas. A relação completa dos locais onde é possível recarregar o Bilhete Único pode ser encontrada no Guia da Rede ou então no site da Transurc (www.transurc.com.br). Os comerciantes que desejam se credenciar devem entrar em contato com o Departamento Comercial da Transurc pelo telefone (19) 3731-2642, ou pelo e-mail comercial@transurc.com.br.

A TransurCoop é uma cooperativa recém-criada e que atua em um ramo ainda inexplorado no Brasil: a consultoria especializada na gestão e venda de créditos eletrônicos (bilhetagem). Sediada em Campinas e gerida por profissionais com vasta experiência no ramo, a TransurCoop tem como objetivos principais implantar sistemas de bilhetagem eletrônica e oferecer soluções para maior rentabilidade dos sistemas já em operação.

Para isso, oferece o know-how de seus cooperados e uma bagagem obtida ao longo dos últimos 25 anos pela Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), que foi a responsável pela instalação do primeiro sistema de bilhetagem do Brasil, na cidade de Campinas em 1997. Desde então muitas mudanças aconteceram, como a implantação do Bilhete Único em maio de 2006, sistema vigente na cidade até hoje e que também foi implantado e é gerido pela Transurc.

As diversas mudanças, as evoluções tecnológicas, a criação de exigências por parte do Poder Público e até a mudança nos hábitos dos consumidores capacitaram os cooperados da TransurCoop, tanto que a associação é referência e fonte de consulta para diversas delegações brasileiras e internacionais, que visitam a sede da Transurc frequentemente.

E para atender às peculiaridades de cada mercado, a TransurCoop oferece consultoria e soluções para as mais diversas áreas, desde o cadastro, emissão e controle dos cartões, passando pela venda de créditos via internet, controles financeiros e de vendas, auditorias, arcabouço jurídico até chegar na comunicação interna e externa.

“Todas estas experiências, conceitos e procedimentos, que fazem a diferença da Transurc, agora podem influenciar positivamente os sistemas de bilhetagem de outras cidades, por meio da TransurCoop”, comenta Armando Corrêa Damaceno, presidente da cooperativa.

Serviço

TransurCoop – consultoria especializada em gestão de bilhetagem
Rua 11 de Agosto, 757, sala 2, Centro, Campinas, SP, CEP 13013-101
Telefone (19) 3203-4647
www.transurcoop.net

As vagas para passeios do Programa Escolas nas Garagens no primeiro semestre já estão esgotadas e, por isso, as escolas interessadas e que ainda não agendaram uma data com o setor de Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) devem entrar em contato pelo telefone (19) 3731-2643 ou pelo e-mail marketing@transurc.com.br o mais rapidamente possível.

Os passeios foram retomados no dia 27 de fevereiro com alunos de 4as séries das escolas municipais e estaduais de Campinas que são levados a conhecer ainda mais sobre a história e cultura da cidade, além de receberem noções de cidadania.

O programa – existe desde 2004 e é uma iniciativa da Transurc e de suas concessionárias associadas. Desde o início, já participaram mais de 72 mil crianças. No passeio, que acontece todos os dias nos períodos da manhã e da tarde, os alunos recebem informações sobre cidadania e preservação ambiental, além de visitar pontos históricos da cidade.

No Centro, as crianças tomam um lanche na Choperia Giovannetti. Depois vão até uma das garagens das concessionárias, onde conhecem a rotina do sistema e o processo de manutenção dos veículos. Em seguida, assistem a uma peça de teatro e participam de um concurso de pintura, cujo vencedor ganha, além de destaque no jornal O Coletivo, um passeio na maria-fumaça para ele e a família. O trem circula entre as cidades de Campinas e Jaguariúna e o prêmio é uma cortesia da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF).

Ao final do passeio, no retorno à escola, os alunos recebem um kit escolar com caneta, régua, adesivos, cadernos e um livro com temática educativa, cortesia da Fundação Educar-DPaschoal, parceira do programa, que ainda tem o apoio da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec).

A Itajaí Transportes Coletivos, concessionária que opera o transporte coletivo na região do Campo Grande (área 2), teve nove veículos depredados na madrugada de sábado para domingo. Ao todo, 40 vidros laterais, dois parabrisas dianteiros, um parabrisa traseiro e um vidro do itinerário foram quebrados, contabilizando um prejuízo aproximado de R$ 12 mil. A expectativa é de que todos os veículos estejam consertados até a tarde desta terça (27/03).

“Algumas das pedras eram tão grandes que chegaram a rasgar a lataria dos ônibus. Por isso a população ficou prejudicada com a ausência de quatro ônibus, que não tiveram condições de circular”, explicou Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), a qual a Itajaí é associada.

Nos piores casos, dois dos veículos atacados tiveram dez vidros quebrados cada. A Itajaí já havia sofrido com o vandalismo durante o Carnaval, quando seis de seus carros também foram alvos de depredação durante as comemorações descentralizadas que foram promovidas na cidade.

Desrespeito com a comunidade

O vandalismo também acaba mexendo com o bolso do passageiro, pois o cálculo da tarifa no transporte urbano inclui os gastos com os reparos. “Enquanto as autoridades não tomarem atitudes preventivas e corretivas, os cidadãos de bem vão continuar a sofrer consequências dos atos irresponsáveis de alguns deliquentes. Vale lembrar que o valor da passagem é calculado de acordo com o número de passageiros transportados, mais o volume do subsídio a estudantes, idosos e outros benefícios à população. Se não existissem os gastos com vandalismo, haveria um impacto menor nos reajustes de tarifas”, completou Barddal.

Pelo terceiro sábado consecutivo, ônibus do transporte coletivo é depredado por gangue que sai de baile funk realizado no Parque Oziel

A VB Transportes e Turismo, concessionária que opera as linhas azuis, na Região do Ouro Verde, teve na manhã deste sábado, por volta das 5h30, mais um ônibus quebrado por vândalos. É o terceiro sábado consecutivo que o crime de vandalismo é cometido por jovens que freqüentam um baile funk que acontece no Parque Oziel.

A forma de agir da gangue é sempre a mesma: após o fim do “pancadão” um grupo com jovens entre 15 a 20 anos (entre os quais têm várias mulheres) atravessa a Rodovia Santos Dumont e se aglomera nas proximidades do Campinas Shopping, sentido Centro-Ouro Verde. “O grupo, que tem entre 60 a 80 pessoas, invade o ônibus da linha 1.20 – Terminal Ouro Verde/Terminal Central, e ninguém paga a passagem. Logo após, os integrantes começam a quebrar os vidros e a arrancar as janelas de emergência dos veículos”, explica Paulo Barddal, diretor de Comunicação da VB.

O primeiro caso desse tipo de vandalismo ocorreu no dia 25 de fevereiro, no mesmo horário do que ocorreu no dia 3 de março, cujo crime gerou um Boletim de Ocorrência. “A empresa já havia solicitado acompanhamento por parte da Polícia Militar mas não teve o seu pleito atendido. Hoje, por exemplo, o motorista levou o ônibus até a base da 3ª Companhia da Polícia Militar com todos os envolvidos no crime dentro do veículo. Mas, ao chegar na base da PM, o policial que estava lá dispensou todo mundo e orientou o motorista para que fosse lavrar o Boletim de Ocorrência no plantão da Polícia Civil”.

A VB Transportes e Turismo, apenas com esses três casos de vandalismo, já registra um prejuízo de R$ 5 mil apenas com o valor referente às peças, sem levar em consideração o tempo que o ônibus tem de ficar parado para ser consertado e o valor referente à mão de obra. A empresa sempre tem sido vítima desse tipo de crime. Mensalmente, em média, ela registra pelo menos cinco casos, dos quais a maioria acontece no mesmo lugar, nas proximidades da passarela do Parque Oziel, onde crianças e adolescentes têm como “hobby” apedrejar ônibus e demais veículos que passam pelo local.

Após atingir o recorde de 66 ônibus depredados no ano passado, folia descentralizada fez crimes e prejuízo caírem consideravelmente em 2012

As concessionárias que operam o transporte coletivo em Campinas, mais uma vez, foram vítimas de crimes de vandalismo. Entre os dias 17 e 22, foram depredados 11 veículos, que tiveram os para-brisas, janelas e vidros das portas quebrados. O prejuízo foi de cerca de R$ 5 mil. “Infelizmente este tipo de ação já é recorrente. No ano passado, por exemplo, tivemos R$ 230 mil de prejuízo com 66 ônibus depredados. Não é porque este número diminuiu neste ano que estes atos deixam de ser criminosos e inaceitáveis”, comenta Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Transurc.

As concessionárias VB Transporte e Turismo, Expresso Campibus, Itajaí Transportes Coletivos e Onicamp Transporte Coletivo, todas associadas à Transurc, disponibilizaram diversas linhas de ônibus para a Operação Carnaval, que consiste em fazer o transporte dos foliões durante a madrugada. Diferentemente dos anos anteriores, quando a região do Ouro Verde foi a que apresentou maior número de casos, em 2012 a mais afetada foi a do Campo Grande. “A Transurc e as empresas concessionárias têm uma campanha contínua contra este tipo de ato, mas algumas pessoas parecem se sentir bem agindo desta forma”, relembra o diretor.

Desrespeito com a comunidade

O vandalismo também acaba mexendo com o bolso do passageiro, pois o cálculo da tarifa no transporte urbano inclui os gastos com os reparos. “Enquanto as autoridades não tomarem atitudes preventivas e corretivas, os cidadãos de bem vão continuar a sofrer consequências dos atos irresponsáveis de alguns deliquentes. Vale lembrar que o valor da passagem é calculado de acordo com o número de passageiros transportados, mais o volume do subsídio a estudantes, idosos e outros benefícios à população. Se não existissem os gastos com vandalismo, haveria um impacto menor nos reajustes de tarifas”, completou Barddal.

A Transurc ressalta que esse balanço é referente apenas aos veículos das concessionárias que são suas associadas e que não possui os dados referentes aos veículos dos permissionários (alternativos) que se reúnem hoje em cooperativas.

A Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) comunica aos usuários do transporte coletivo que, em virtude de manutenção programada no sistema, não haverá vendas de créditos nos pontos credenciados e no posto do Terminal Central, das 6 às 12 horas, neste domingo. As vendas serão retomadas após esse horário.