Itajaí, Onicamp e Pádova conseguiram colocar apenas 53 dos 928 ônibus da frota operacional, ou seja, 5,7%; ontem, 66 veículos circularam ou apenas 7% do total

As concessionárias Itajaí Transportes Coletivos, Onicamp Transporte Coletivo e Coletivos Pádova conseguiram colocar apenas 53 ônibus nas ruas, ou seja, 5,7% dos 928 veículos que deveriam estar trafegando no horário de pico. A determinação do desembargador Lourival Ferreira dos Santos, presidente da Seção de Dissídios Coletivos do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 15ª Região, era a de que o Sindicato dos Rodoviários de Campinas e Região, que convocou greve a partir de ontem, mantivesse pelo menos 70% dos veículos em circulação durante os horários de pico e de pelo menos 50% nos demais horários.

Hoje, mais uma vez, os sindicalistas usaram de violência para impedir a circulação dos veículos. A Onicamp havia conseguido colocar 13 ônibus nas ruas mas três ônibus foram apedrejados e o veículo de prefixo 4860, da linha 4.13, que teve vidros laterais quebrados por pedradas e uma delas atingiu o rosto de uma passageira, que teve lesão leve e que foi encaminhada pela Polícia Militar ao Hospital Mário Gatti, onde ficou em observação. Os três ônibus depredados estão estacionados dentro do Terminal Central.

Ontem, as empresas concessionárias e a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) informaram o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 15ª Região sobre o descumprimento da determinação judicial. O TRT havia estipulado a cobrança de uma multa de R$ 20 mil contra o sindicato por descumprimento.