As empresas que operam o transporte público em Campinas tiveram um índice de 99,86% na realização de viagens entre janeiro e dezembro de 2012, ou seja, de um total de 5.670.630 de viagens programadas no ano, apenas 8.081 (0,14% do total) não foram realizadas. Entre as linhas afetadas estão as que trafegam em itinerários com buracos nas vias e viário precário, principalmente na periferia e na área rural. No período de chuvas, essas ruas chegam a ficar intransitáveis, como já foi relatado em outras reportagens do jornal O Coletivo.

O índice de pontualidade é ainda maior: 99,96%. No ano passado ocorreram 2.063 atrasos e adiantamentos de viagens, ou seja, 0,04% do total de viagens programadas. Os atrasos normalmente são pelos congestionamentos, que geralmente ocorrem nos picos da manhã e da tarde. As viagens não realizadas e os atrasos e adiantamentos foram autuados pela Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec).

“Priorizar o transporte público é essencial para que haja um salto ainda maior de qualidade. Campinas precisa de corredores exclusivos para que os ônibus não fiquem presos em congestionamentos, disputando os mesmos espaços nas ruas e avenidas com os demais veículos”, argumenta Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), que congrega as concessionárias operadoras.

Pelos motivos expostos acima, a implantação dos corredores do tipo BRT, projetados pela Emdec para fazer ligações importantes de regiões adensadas como as do Ouro Verde e também as que se estendem ao longo da John Boyd Dunlop, é considerada imprescindível para que o transporte coletivo dê esse salto de qualidade.

A Emdec recebeu 15.635 reclamações entre abril de 2012 e abril de 2013 sobre o Sistema InterCamp, que inclui as linhas operadas pelas cooperativas. As reclamações mais registradas foram sobre não cumprimento de horário (33,23%), motorista que não para no ponto (17,83%), motorista imprudente (14,83%) e não cumprimento de itinerário (5,57%). Não há dados exclusivos sobre a atuação dos ônibus operados pelas empresas, mas os motoristas e cobradores passam por constantes treinamentos nas garagens para melhorar o atendimento aos passageiros.