É apenas o terceiro mês do ano, mas as concessionárias do transporte público de Campinas já somam R$ 530,55 mil de prejuízo por conta do vandalismo. Além dos 30 veículos danificados no Carnaval, que contabilizaram o prejuízo financeiro de R$ 80,55 mil, há os três carros queimados e nove danificados durante protesto em 13 de janeiro no Terminal Vida Nova, que causaram prejuízo de R$ 450 mil. A justificativa para o vandalismo foi a morte de 12 pessoas na região.

Naquele mês e agora em março, diversas linhas tiveram de reduzir a operação pela falta dos veículos, prejudicando mais uma vez a população. O que talvez muitos não saibam é que a manutenção dos veículos é um dos itens para o cálculo do preço da passagem, que precisa ser constante por causa da depredação dos ônibus.

 

Prejuízo com o vandalismo foi de R$ 80,55 mil; VB teve 25 veículos atacados por vândalos

O vandalismo mais uma vez esteve presente no Carnaval de Campinas. O saldo foi: 30 ônibus depredados, prejuízo financeiro de R$ 80,55 mil. Além disso, como o número de ônibus avariados foi grande e a VB Transportes e Turismo teve a maioria dos veículos quebrados (25 dos 30 ônibus), a concessionária será obrigada a operar com escala de férias e, com isso, mais de 35 mil passageiros serão afetados nos próximos dias.

A VB está aguardando para as 10 horas de hoje peritos da Polícia Civil e, após a vistoria, os ônibus serão liberados para reparos. As linhas que serão afetadas nos próximos dias são a 134, 316,317, 330,331, 332 e 333.

Na madrugada de hoje, cinco veículos da VB foram atacados por vândalos, dois da Itajaí Transportes Coletivos e um da Expresso Campibus. Os criminosos quebraram vidros laterais e de vigia, câmeras de segurança, luminárias internas, caixas dos cobradores, arrancaram janelas, bancos e alçapões de emergência, rasgaram os bancos e apedrejaram os vidros traseiros dos veículos. Todos os ataques aconteceram durante a madrugada, após os vândalos deixarem os locais onde acontecem as festas de Momo.

“Os atos de vandalismo ocorreram nas avenidas Brasil, John Boyd Dunlop, Carlos Lacerda e Sales de Oliveira, da meia-noite às 7h30 da manhã, desde a madrugada de sábado até hoje. Durante o percurso, os vândalos começavam as depredações. Como todo ano, a impunidade prevaleceu por falta de segurança”, afirma Paulo Barddal, diretor da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), à qual as concessionárias são associadas.

 

Número de depredações já é de 22 veículos; prejuízo é de R$ 67,85 mil até o momento

Mais 14 ônibus foram alvos de vandalismo nessa madrugada em Campinas. Doze veículos operam na área 3 do sistema InterCamp e tiveram janelas e alçapão do teto arrancados, câmeras de monitoramento danificadas, bancos quebrados ou rasgados, entre outros danos. A empresa VB Transportes e Turismo fez o Boletim de Ocorrência nessa manhã. No entanto, a perícia só poderá ser feita pela Polícia Civil na quarta-feira. Como os danos foram grandes, a empresa não tem peças suficientes para troca, e por conta do feriado, novas peças de reposição só poderão ser compradas amanhã para o conserto dos veículos. Com isso, algumas linhas, como a 316, 317, 330, 331, 332 e 332, devem ter menos veículos circulando no dia 5 de março.

“Somente nessa área a empresa teve um prejuízo de R$ 30 mil nessa madrugada. Porém, é lamentável que a população seja prejudicada por conta do vandalismo”, afirma Paulo Barddal, diretor da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), à qual a concessionária é associada.

Outros dois veículos foram depredados na área 1, que faz a região do Ouro Verde. Os ônibus das linhas 134 e 179 tiveram as janelas e câmeras arrancadas. O prejuízo é de R$ 10 mil nessa área.

Ao todo, os quatro dias de folia somam R$ 67,85 mil de prejuízo. Até o momento foram danificados 22 ônibus.

Número de depredações já supera o do ano passado; prejuízo, até agora, é de R$ 27,85 mil

O número de ônibus depredados das concessionárias VB Transportes e Turismo, Itajaí Transportes Coletivos e Expresso Campibus no Carnaval já supera o do mesmo período do ano passado. Desde que o evento começou, na sexta-feira até a madrugada de hoje, oito ônibus foram atacados por vândalos. No Carnaval passado, seis veículos foram destruídos.

Até agora, o prejuízo das empresas é de R$ 27,85 mil. Os criminosos quebraram vidros laterais e de vigia, câmeras de segurança, luminárias internas e as caixas dos cobradores, arrancaram janelas e alçapões de emergência e apedrejaram os vidros traseiros dos veículos. Todos os ataques aconteceram durante a madrugada, após os vândalos deixarem os locais onde acontecem as festas de Momo.

“Os atos de vandalismo ocorreram a partir das 4h20 às 7h30 da manhã. E, sempre durante o percurso, nas avenidas Brasil, John Boyd Dunlop e Carlos Lacerda. Como ocorre todo ano, a impunidade prevalece por falta de segurança”, afirma Paulo Barddal, diretor da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), à qual as concessionárias são associadas.

O primeiro ataque aconteceu às 6 horas do dia 1º contra o ônibus prefixo 1598 da VB , que fazia a linha 134 (Terminal Barão Geraldo-Terminal Ouro Verde). Na Avenida John Boyd Dunlop, após a ponte sobre a Rodovia Anhanguera, os vândalos arrancaram cinco quadros de janelas e um alçapão de emergência.

Na madrugada do dia 2, mais cinco ônibus foram depredados. O primeiro desse dia foi o da linha criada especialmente para atender os foliões (Terminal Central-Amarais), foi o ônibus de prefixo 2640, às 4h20, na Avenida Brasil. O veículo teve a janela de emergência e as luminárias internas quebradas e a caixa do cobrador foi arrancada.

O carro prefixo 1081, também da VB, que fazia a linha 134, foi atacado às 6h30, na Avenida John Boyd Dunlop, no mesmo dia. Ele teve um quadro de janela e um vidro da porta dianteira arrancados.

O terceiro foi o ônibus prefixo 2995, da Itajaí Transportes Coletivos, às 6h50, na Avenida John Boyd  Dunlop, sobre a ponte da Rodovia dos Bandeirantes. Os vidros das janelas de emergência dos lados direito e esquerdo, vidro  vigia  traseiro foram quebrados. As borrachas de vedação também foram arrancaram.

Às 7 horas, o ônibus da VB, prefixo 1082, também da linha 134, foi atacado por vândalos na Avenida Carlos Lacerda, próximo ao Terminal da Vila União. Foram arrancados dois quadros de janelas e uma câmera de segurança.

O quinto veículo, ônibus também da VB, prefixo 1085, que fazia a linha Terminal Shopping Dom Pedro-Terminal Ouro Verde, também foi atacado quando transitava na Avenida Carlos Lacerda, pelos mesmos vândalos que atacaram o anterior. Eles embarcaram próximo do Terminal Ouro Verde e, logo em seguida, iniciaram a depredação. Foram cinco quadros de janelas e um vidro vigia traseiro arrancados.

Hoje, às 5 horas, dois veículos da VB, que faziam a linha especial de Carnaval, foram atacados logo depois de deixarem a Estação dos Amarais, na altura do Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), na Avenida Brasil. Os dois veículos, prefixos 3979 e 3890, foram depredados.

No primeiro, os vândalos quebraram uma câmera de segurança, a caixa do cobrador, o cordão da campainha e rasgaram a cortina que fica atrás do cobrador. O segundo veículo teve duas câmeras de segurança quebradas. Faltam dois dias para terminar a Operação Carnaval.

Três ônibus queimados, um monte de sucata. Foi o que restou na garagem da VB Transportes e Turismo após o vandalismo ocorrido no Terminal Vida Nova, no dia 13 de janeiro. Além deles, que não servem para mais nada, outros nove veículos foram depredados. Nesse dia, a ação irresponsável de alguns criminosos prejudicou nada menos que 4.700 passageiros dos 13.500 passageiros que utilizam as linhas 126, 127, 128, 130, 131, 132 e 136 durante o dia.

Nos oito dias subsequentes, as linhas 126 e 127 do bairro Vida Nova ficaram paradas, pois os ônibus tiveram de ser consertados, já que um terço da frota que circula na região foi depredada. Além dos passageiros prejudicados, a empresa teve um prejuízo de R$ 450 mil.

A justificativa para o vandalismo foi a morte de 12 pessoas na região onde fica o Terminal Vida Nova. “Sempre que há manifestações, os ônibus acabam sendo alvo de protestos e vandalismo, mas o que o transporte coletivo tem a ver com isso?”, questiona Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc).

No local, havia cerca de 300 manifestantes, muitos com os rostos cobertos, carregando pedaços de pau, pedras e substâncias inflamáveis. Além dos veículos, as cabines do Terminal Vida Nova também foram queimadas e apedrejadas.

Um Monza também foi queimado e a imprensa foi recebida a pedradas e pauladas.

A Polícia Civil investiga o caso das 12 mortes. Já os ônibus esperam sem vida para virarem sucata em algum ferro- velho.

 

O número de assaltos caiu dentro dos veículos, graças ao uso crescente do Bilhete Único para pagamento das passagens e à consequente redução da quantidade de dinheiro. Em 2013, foram registrados 329 roubos contra 398 de janeiro a dezembro de 2012. Há dez anos, quando ainda não havia o cartão com chip (smart card), a quantidade de assaltos chegou a 1.206. Isso porque, naquela época, 40% dos passageiros pagavam as suas viagens com dinheiro.

Já em 2014, esse índice foi reduzido para menos de 10% em janeiro e a tendência é de que o porcentual caia ainda mais. “A população de Campinas descobriu que o Bilhete Único traz inúmeras vantagens, como o pagamento de uma tarifa para fazer até três viagens no período de duas horas e o bloqueio do saldo do cartão caso ele seja perdido ou roubado”, explica Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc).

Hoje em dia circulam quantias inferiores a R$ 20,00 ou R$ 30,00 por veículo, ou seja, com a quantidade menor de dinheiro dentro dos ônibus, os ladrões não veem mais atrativos para cometer crimes.

O resultado positivo é consequência do investimento que a Transurc e suas empresas associadas têm feito nos últimos anos em tecnologia e segurança. Atualmente já são mais de 300 postos de Representantes Credenciados que podem recarregar o cartão Bilhete Único, além dos postos de venda da associação nos terminais. Também é possível comprar créditos pela internet e fazer recarga dentro dos ônibus (para o Vale-Transporte).

Mais de 90% das operações são feitas de forma eletrônica ou ainda com o pagamento por meio de boletos bancários e, com isso, na sede da Transurc também houve redução na circulação de dinheiro, pois poucas pessoas e empresas fazem compra em espécie e ainda podem optar pela entrega por sistema de delivery.

Mais segurança – além do investimento na bilhetagem eletrônica, as empresas do transporte coletivo fizeram a instalação de GPS em suas frotas. As informações registradas no aparelho (velocidade, horários, parada nos pontos) vão permitir o monitoramento on-line dos coletivos e também a aplicação de ajustes das linhas, além de identificar os pontos de gargalo, acidentes e roubos. As concessionárias, conforme exigência da Prefeitura de Campinas, também estão investindo na instalação de câmeras em todos os veículos.

Campanhas ajudam a popularizar cartão

Atualmente são mais de 846 mil cartões Bilhete Único cadastrados e o que incentivou para que seu uso aumentasse e, consequentemente, a quantidade de dinheiro dentro dos veículos diminuísse foram as campanhas “Faça comigo seu Bilhete Único” e “Segunda via gratuita do cartão”, promovidas pela Transurc no final do ano passado. Foram reemitidos 13.939 cartões e impressos mais de 5 mil novos cartões.

Na primeira campanha, dez agentes de cadastramento, vestindo um colete com o logotipo da Transurc, abordaram os passageiros nos pontos de ônibus do Centro.

Na hora, por meio de um smartphone, o agente verificou se o passageiro possuía algum tipo de cartão cadastrado em seu nome e, quando não o tinha, o cartão já era entregue.

Hoje, a família de cartões Bilhete Único atende funcionários de empresas, estudantes, pessoas portadoras de necessidades especiais, idosos e usuários comuns.

 

O Passe Lazer foi ampliado para duas edições mensais. Em fevereiro, ocorre nos dias 16 e 23, os dois últimos domingos do mês. O anúncio da ampliação do benefício foi realizado no dia 11 de fevereiro, durante coletiva de imprensa na prefeitura.

Nos dias de Passe Lazer, o usuário do transporte público paga R$ 1,50 pela passagem de ônibus; em vez dos R$ 3,00 cobrados em dias normais. O benefício vale para pagamento em dinheiro ou com o cartão do Bilhete Único Comum. O Bilhete Único ainda tem a vantagem da integração temporal, possibilitando a utilização de mais de um veículo, pelo período de 2h, pagando uma única passagem.

Histórico

A primeira edição do Passe Lazer foi realizada no dia 28 de abril de 2013. O benefício não vale para quem tem o Bilhete Único Escolar, que já possui 60% de desconto no valor da tarifa; e, também, para quem tem o Bilhete Único Vale-Transporte, por ser um benefício antecipado que a empresa empregadora presta ao funcionário, para seu deslocamento ao trabalho. Já quem tem o cartão de Bilhete Único Idoso ou Gratuito não paga a tarifa de ônibus.

 

A Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) está com inscrições abertas para o Programa Escolas nas Garagens, que é voltado para alunos do 5° ano do Ensino Fundamental de escolas públicas estaduais e municipais de Campinas. Para participar, os responsáveis devem entrar em contato com a Diretoria de Comunicação da Transurc pelo telefone (19) 3731-2643 e informar quantas turmas irão ao passeio.

Na semana em que a visita for realizada, a Transurc entrará em contato com a escola e solicitará o envio da lista de alunos, das autorizações dos pais ou responsáveis e do nome dos acompanhantes adultos (um para cada grupo de 15 crianças).

“O programa existe desde 2004 e é uma iniciativa da Transurc e das concessionárias do transporte coletivo urbano de Campinas. Desde o início, já participaram 95 mil crianças. Somente em 2013, 104 escolas públicas enviaram seus alunos para o programa, com uma média de 35 estudantes em cada turno. Como a procura é sempre alta, pedimos que as escolas reservem as datas e garantam as visitas o quanto antes”, esclarece Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Transurc.

No passeio, que acontece todos os dias, de manhã e à tarde, os alunos recebem informações sobre cidadania e preservação ambiental, e conhecem pontos históricos da cidade. No Centro, as crianças tomam um lanche na Choperia Giovannetti. Depois vão até uma das garagens das concessionárias, onde conhecem a rotina do sistema e o processo de manutenção dos veículos.

Em seguida, assistem a uma peça de teatro e participam de um concurso de pintura mensal, cujo vencedor ganha, para ele e para a família, um passeio na maria-fumaça, que circula entre Campinas e Jaguariúna, cortesia da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF).

Ao final do passeio, no retorno à escola, os alunos recebem um kit escolar com caneta, régua, adesivos e cadernos. O programa também tem o apoio da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec).

Depois de passar pelo Terminal Vila União e pelo Terminal Padre Anchieta em janeiro, o Expresso Bilhete Único, que permite o cadastro e a compra do Bilhete Único Comum, volta para a Avenida Moraes Salles, em frente da Guarda Municipal, em fevereiro. O atendimento é feito das 8h30 às 18h30, de segunda a sexta-feira.

No micro-ônibus, o Bilhete Único Comum é feito na hora e o usuário já sai podendo usufruir os benefícios do cartão. “Hoje não existe qualquer tipo de burocracia para fazer o Bilhete Único Comum. O cadastro é realizado sem qualquer custo, a emissão do BU é feita na hora e a própria recarga, que pode ser feita com o valor que o cliente desejar, é possível em mais de 300 pontos da Rede de Representantes Credenciados da Transurc, além dos terminais e do Poupatempo Centro”, explica Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc).

O Expresso Bilhete Único tem sido uma excelente alternativa aos usuários do transporte coletivo urbano de Campinas que desejam fazer o cadastro para o Bilhete Único Comum, a recarga e a consulta desse tipo de cartão.

Como fazer

Para efetuar o cadastro, o interessado precisa levar apenas a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) ou a Carteira de Identidade (RG) e o CPF. Além disso, quem utiliza o Bilhete Único pode recuperar os créditos em caso de perda, roubo, furto ou inutilização do cartão. Basta entrar em contato com a Transurc pelo 0800 014 02 04, pedir o bloqueio do cartão original e solicitar a emissão de uma segunda via. O saldo do cartão antigo será automaticamente transferido para o novo.

Três ônibus da VB Transportes e Turismo foram queimados e sete depredados no Terminal Vida Nova hoje, a partir das 11h. O terminal, que é administrado pela Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), teve uma das cabines quebradas com pedras e pedaços de pau e a outra queimada. Por falta de segurança para operar no local, as sete linhas (126, 127, 128, 130, 131, 132 e 136) ficaram suspensas e voltam a circular às 15h30, pois a gerência da VB Transportes, em reunião com Polícia Militar, teve garantida a segurança da operação. A Emdec também manteve o terminal fechado por todo esse tempo.

No local, havia cerca de 300 manifestantes, muitos com os rostos cobertos, carregando pedaços de pau, pedras e substâncias inflamáveis. Um Monza também foi queimado e a imprensa tem sido recebida a pedradas e pauladas. Além da Polícia Militar e da Guarda Municipal, o Corpo de Bombeiros também esteve presente no local.

Por enquanto não se sabe as causas da depredação e a VB Transportes espera que a PM investigue as causas do ato de vandalismo o quanto antes. É lamentável que os ônibus do transporte coletivo urbano sejam mais uma vez alvo de vandalismo. A empresa ainda não calculou o valor do prejuízo, mas, no fim, os usuários são os mais prejudicados por esse tipo de crime.