Motoristas e cobradores da VB Transportes e Turismo atrasaram hoje a saída da frota de ônibus que opera na área 3 (linhas verdes) em duas horas. O atraso causou prejuízos para cerca de 50 mil dos 80 mil usuários que usam o serviço no período da manhã. Das 4h20 até 5h30, era para sair 100 veículos do primeiro e segundo horários. Mas, só a partir das 5h30 é que todos os 283 veículos começaram a sair da garagem.

O protesto, de acordo com informações que chegaram à empresa, foi motivado por supostas demissões de cobradores. Após a diretoria da VB ter explicado que a falta de cobradores e motoristas no mercado é crônica, os funcionários retomaram as atividades.

“Existe um problema de apagão de mão-de-obra no setor. Não é de hoje que as concessionárias têm dificuldades para contratar motoristas, cobradores e até mesmo pessoal para fazer o abastecimento dos veículos”, explica Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), à qual a VB é associada.

As empresas, inclusive, têm treinado cobradores para que assumam as funções de motorista mas nem mesmo essa iniciativa surtiu o efeito desejado. Outro problema enfrentado diariamente pelas empresas, de forma geral, é que dezenas de cobradores faltam ao trabalho e justificam as faltas com atestados médicos.

A VB nem as demais concessionárias têm qualquer tipo de programa de demissão de cobradores ou qualquer outra função em curso. “Simplesmente, o número de interessados em exercer a profissão de cobrador é cada vez menor. As empresas tentam contratar cobradores para repor os quadros mas não conseguem”, afirma Barddal.

No Brasil, o apagão de mão-de-obra é sentido até mesmo para profissões de nível universitário, com médicos e engenheiros, por exemplo. Recentemente, o governo federal tomou a decisão de “importar” médicos para suprir o déficit existente no país.

Otávio Cunha*

Otávio Cunha*

O êxito no uso de faixas exclusivas para circulação de ônibus nos dois maiores e mais congestionados centros urbanos do País tem feito com que esse tipo de solução seja discutido na imprensa, por especialistas e autoridades, e também pelo cidadão comum, interessado em ganhar tempo e se desgastar menos em seus deslocamentos diários.

A expectativa é de que outras cidades se sintam estimuladas a implantar medidas semelhantes, obtendo bons resultados em termos de mobilidade urbana com investimentos relativamente pequenos. Também é bom lembrar que os administradores municipais que resolverem garantir a velocidade dos ônibus estarão resguardados pela Lei da Mobilidade Urbana (Lei 12.587/12), que tem como princípio  “a equidade no uso do espaço público de circulação, vias e logradouros” e estabelece como diretriz claríssima a “prioridade dos modos de transporte não motorizados sobre os motorizados e dos serviços de transporte público coletivo sobre o transporte individual motorizado”.

Desde 2011, o Rio de Janeiro vem demonstrando ser possível implantar um sistema de Bus Rapid Service (BRS), nome que pode ser traduzido por ‘serviço rápido por ônibus’. Trata-se essencialmente da destinação de duas faixas de rolamento exclusivamente para os ônibus, enquanto o tráfego de automóveis e de outros veículos individuais é permitido nas outras faixas da via. Em linhas gerais, o sistema exige a marcação do solo, monitoramento para dificultar a invasão da faixa do ônibus pelos carros, determinação da autoridade municipal, além, é claro, de um eficiente trabalho de comunicação com a comunidade, para que todos compreendam e possam seguir as novas regras. As faixas exclusivas cariocas começaram na Zona Sul e já alcançam bairros da Zona Norte, como Estácio, Tijuca, Maracanã e Méier.

Por sua vez, a cidade de São Paulo começou em meados de 2013 o seu programa de faixas exclusivas para os ônibus. Inicialmente, foram definidos 170 km de faixas, mas até o mês de novembro mais de 250 km já foram implantados. Segundo dados oficiais ainda preliminares, divulgados em setembro, a nova sistemática conseguiu reduzir em aproximadamente 46% o tempo de viagem em diferentes corredores. E conta com o apoio de 88% da população, de acordo com uma pesquisa realizada e divulgada também no mês de setembro pelo instituto de pesquisas Datafolha.

Está provado que as faixas exclusivas conseguem mesmo tirar os ônibus dos congestionamentos, com redução do tempo de viagem e a diminuição dos custos operacionais do transporte público. A Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) preparou uma simulação, comparando o comportamento dos ônibus em um corredor compartilhado com automóveis, motos e outros veículos com a situação dos mesmos ônibus em uma faixa exclusiva.  No meio do congestionamento, a velocidade comercial média dos ônibus ficou em torno de 17 km por hora, enquanto na faixa exclusiva a velocidade foi 60% maior, alcançando 27,5 km por hora, possibilitando uma redução significativa nos custos da operação do transporte.

Ao lado da diminuição da carga tributária, ganhos de eficiência com essa magnitude assumem grande importância neste momento em que se discutem alternativas para reduzir o valor da tarifa paga pelo usuário. Além disso, a redução do tempo de viagem amplia a qualidade do serviço e o melhor desempenho na pista proporciona menor consumo de combustível, contribuindo para reduzir os índices de poluição ambiental. Resumindo, as faixas exclusivas para ônibus têm várias vantagens e rigorosamente nenhuma contraindicação, constituindo experiências a serem multiplicadas.

*Otávio Vieira da Cunha Filho, bacharel em Administração e Ciências Contábeis, empresário de transporte urbano de passageiros em Marabá (PA), membro do Conselho Diretor da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) e presidente da Seção 1 – Passageiros, da Confederação Nacional do Transporte (CNT). Presidente da Diretoria Executiva da NTU.

 

Associação reuniu representantes do setor em Brasília e propôs o uso das faixas exclusivas como medida de curto prazo para melhorar deslocamentos por ônibus urbano

Na manhã de quarta-feira (6) a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) lançou uma campanha nacional para chamar a atenção da sociedade e do poder público sobre as vantagens do uso da faixa exclusiva de ônibus como solução para um dos maiores problemas enfrentados pelo cidadão nos deslocamentos diários – a demora no trajeto feito por meio de  transporte público. Na ocasião, foi lançada também uma publicação preparada pela entidade, com intuito de despertar o interesse dos prefeitos de 46 municípios para a importância da implantação de faixas exclusivas como medida de curto prazo. Ao mesmo tempo, foi anunciado campanhas publicitárias para reforçar a sugestão, em parceria com o Movimento pelo Direito ao Transporte Público de Qualidade para Todos (MDT).

O presidente executivo da NTU, Otávio Cunha, fez um apelo ao governo federal, para que seja parceiro na divulgação dessa campanha, contribuindo com o montante de R$ 5 bilhões para implantar 4 mil km de faixas exclusivas nos 46 municípios, em até 12 meses. “As faixas vão gerar economia de tempo, de gastos com combustíveis, menos poluição, redução de acidentes, e devem trazer, por consequência, outros benefícios, como um sistema eficiente de informações sobre o percurso, de linhas, de rotas e de horários, com fiscalização eletrônica”, destacou Cunha. E acrescentou que no rol de melhorias também estão incluídas, nessa proposta, benfeitorias nos pontos de paradas e calçadas. “Teremos ainda um ganho de produtividade, visto que nos últimos 18 anos, o setor de transporte público por ônibus perdeu 30% da demanda, o equivalente a 60 milhões de passageiros por dia”, frisou.

Para o Coordenador do MDT, Nazareno Affonso, a prospota da NTU representa um avanço na qualificação do transporte por ônibus, visto que o governo hoje foca em projetos de mobilidade urbana estruturantes e de porte médio e grande. “O valor que está sendo proposto, para contribuição do governo federal, de R$ 5 bilhões, representa só 10% do valor anunciado pela presidenta Dilma Rousseff, de mais R$ 50 bilhões para a mobilidade urbana”, destacou Nazareno, durante a solenidade de lançamento da campanha. Para o secretário de Transportes do DF, José Wazquez Filho, a iniciativa da NTU chega em boa hora para o país. Vazquez, que já adota o sistema de faixas exclusivas no Distrito Federal, elogiou a medida e registrou benefícios das faixas já alcançados na capital da República. “Na Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB) já temos um ganho expressivo de tempo”, destacou o secretário e ressaltou os desafios de se melhorar o sistema de transporte público por ônibus para os gestores públicos.

Também presente ao evento de lançamento da campanha nacional da NTU, representando a Frente Nacional de Prefeitos (FNP), o coordenador do convênio Sebrae/FNP, Carlito Merss, reforçou a importância da iniciativa da NTU, com o lançamento da campanha, e relembrou os desafios que enfrentou para implantar medidas visando melhorar o transporte público, quando esteve à frente da prefeitura de Joinvelle (SC). Na mesma linha, o senador Acir Gurgacz (PDT/RO), elogiou a NTU pela proposta das faixas exclusivas e frisou a necessidade de engajamento do poder público nessa campanha.

No decorrer da solenidade, os convidados assistiram a dois vídeos publicitários das campanhas da NTU e do MDT. Outras peças publicitárias também foram exibidas, todas com enfoque no uso das faixas exclusivas como medida emergencial para trazer melhorias ao transporte público por ônibus.

Publicação –  Com 35 páginas e conteúdo ilustrado, a publicação “Faixas exclusivas de ônibus urbanos – experiências de sucesso” trazem um apanhado de boas iniciativas nessa linha sugerida pela NTU. Com informações técnicas sobre as vantagens do uso das faixas e com resultados significativos, de projetos adotados no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Goiânia. O material associa outros itens que recebem tratamento diferenciado nesse processo de qualificação do transporte urbano com o uso das faixas exclusivas. A publicação detalha melhorias em paradas de ônibus, em calçadas e no processo de informação ao usuário, discriminando rotas, horários e linhas disponíveis para cada trajeto. Na ocasião, a NTU informou que as prefeituras, nos 46 municípios, vão receber exemplares da publicação da NTU, para que assimilem bem a ideia.

As peças das campanhas publicitárias da NTU e do MDT estão disponíveis para download no portal da NTU (www.ntu.org.br).

Devido ao sucesso da campanha que isenta a cobrança da segunda via do cartão Bilhete Único, a Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), organização que reúne as concessionárias que operam o setor na cidade, prorrogou a isenção da cobrança da taxa até 30 de novembro.

Os usuários que tiverem interesse em fazer a segunda via gratuitamente poderão ir até o Terminal Central ou à sede da Transurc, que fica na Rua 11 de Agosto, 757, Centro. No período da campanha, a Transurc fará um novo cartão por CPF daqueles usuários que já tem cadastro.

Durante o mês de outubro foram reemitidos 6.458 cartões. Segundo Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Transurc, o público-alvo da campanha são as 18.149 pessoas que perderam o cartão Bilhete Único Comum e deixaram de aproveitar os benefícios que a integração permite. “Além dos três ônibus, os usuários que têm o Bilhete Único podem se beneficiar com o Passe Lazer um domingo por mês”, explica.

Essa é mais uma iniciativa da Transurc para tornar ainda mais acessível o cartão que permite que o usuário possa utilizar até três ônibus durante duas horas pagando apenas uma tarifa. Hoje, a família de cartões Bilhete Único tem cerca de 850 mil cadastrados, entre os funcionários de empresas, estudantes, pessoas portadoras de necessidades especiais, idosos e usuários comuns.

Cadastramento na hora

A Transurc também está nas ruas com a campanha “Faça comigo seu Bilhete Único” desde setembro com o objetivo de popularizar ainda mais o cartão. Dez agentes de cadastramento, vestindo um colete com o logotipo da Transurc, abordam os passageiros nos pontos de ônibus do Centro.

Até agora, já foram feitos 3.511 novos cadastros. “A campanha tem como público-alvo aquelas pessoas que não têm tempo de se dirigir até a sede da Transurc ou aos terminais para fazer o cartão”, diz Barddal.

Na hora, por meio de um smartphone, o agente consegue verificar se o passageiro tem algum tipo de cartão cadastrado em seu nome e, caso não tenha, o Bilhete Único é feito imediatamente. O cartão vem pré-carregado com duas tarifas e, logo após o cadastramento, o usuário poderá aproveitar os benefícios do Bilhete Único.

Posteriormente, se o usuário quiser personalizar o cartão com o nome, poderá dirigir-se até a sede da Transurc. Os agentes de cadastramento do BU ficam nesses pontos de ônibus de segunda-feira a sexta-feira, das 9h às 17h.

Recarga fácil

O cartão pode ser recarregado em um dos pontos de vendas da Transurc localizados nos terminais de ônibus Central, Mercado, Barão Geraldo, Ouro Verde, Campo Grande e no Poupatempo Centro ou ainda em um dos 290 estabelecimentos que fazem parte da Rede Credenciada. A localização dos estabelecimentos comerciais da Rede de Credenciados pode ser obtida no site da Transurc (www.transurc.com.br) ou nos guias de bolso que são distribuídos nos pontos de venda da associação.

A VB Transportes e Turismo está investindo na instalação de câmeras de monitoramento nos ônibus. A instalação está sendo feita nos veículos que circulam na área 3 do Sistema InterCamp, que compreende as regiões de Barão Geraldo, Sousas, Rodovia Campinas–Mogi, Amarais e Corredor Abolição.

Monitoramento das câmeras na VB Transportes é constante

Monitoramento das câmeras na VB Transportes é constante

Os equipamentos começaram a ser colocados no dia 24 de setembro e todos os 307 veículos da empresa devem ser equipados nos próximos meses. Nos ônibus de modelo convencional estão sendo instaladas quatro câmeras por veículo; já nos articulados serão colocadas seis. O investimento visa garantir a segurança dos passageiros, motoristas e cobradores, já que as câmeras coíbem assaltos e o vandalismo.

O mesmo investimento foi feito pela empresa nos veículos que circulam pela área 1 do Sistema InterCamp, que atende as regiões do Ouro Verde, Vila União e Corredor Amoreiras. A vigilância está instalada em 100% da frota composta por 313 ônibus convencionais e articulados desde maio deste ano.

A Expresso Campibus também está colocando câmeras de segurança nos seus veículos: 61% da frota já conta com quatro câmeras instaladas em cada unidade e a previsão é de que os 177 ônibus da empresa estejam com os equipamentos até janeiro de 2014.

Por último, a Coletivos Pádova está fazendo testes com diversos sistemas de câmeras para decidir qual o melhor para sua operação. Em breve os colaboradores também terão novidades da concessionária.

O Programa Escolas nas Garagens tem poucas vagas disponíveis até o final do ano. A agenda está aberta no período da manhã apenas no final de novembro e início de dezembro e, no período da tarde, a partir do meio de outubro.

Portanto, as escolas públicas municipais ou estaduais que ainda quiserem participar devem se apressar. O programa é voltado para alunos da 5ª série do Ensino Fundamental.

Os coordenadores das escolas interessadas devem entrar em contato com o setor de Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) pelo telefone (19) 3731-2643 ou pelo e-mail marketing@transurc.com.br o quanto antes. Na semana em que a visita for realizada, um funcionário da Transurc entrará em contato com o responsável pela escola e solicitará o envio da lista de alunos, das autorizações dos pais ou responsáveis e do nome dos acompanhantes adultos (um para cada grupo de 15 crianças). Todas as atividades do projeto são oferecidas gratuitamente.

A Transurc mudou a distribuição do jornal O Coletivo. A edição de setembro já foi entregue por equipes uniformizadas aos passageiros que esperavam os ônibus nos terminais Central, Mercado, Ouro Verde, Campo Grande, Barão Geraldo e Metropolitano. O objetivo é tornar o jornal mais acessível aos usuários para que fiquem por dentro do que a Transurc e suas associadas fazem para melhoria do sistema de transporte.

A nova distribuição foi aprovada pelos passageiros. “É melhor. Fica mais fácil para pegar a edição quando entregam para a gente”, afirma a autônoma Elaine Dearmelino. Os usuários de ônibus querem estar bem informados, como conta a dona de casa Vera Lucia da Silva. “É importante saber como funciona o sistema de transporte.” O pedreiro Luiz Jair de Lima concorda com ela. “É uma boa ter notícias a respeito. As pessoas precisam ter conhecimento do que está acontecendo”, acredita.

O jornal continua disponível nos dispensers localizados perto dos pontos de venda da associação nos terminais, no Poupatempo e na própria sede da Transurc. Atualmente, a tiragem é de 30 mil exemplares.

A VB Transportes e Turismo, concessionária que opera as linhas verdes, está investindo na instalação de câmeras de monitoramento nos ônibus. As linhas verdes fazem parte da área 3 do Sistema InterCamp, que compreende as regiões de Barão Geraldo, Sousas, Rodovia Campinas–Mogi, Amarais e Corredor Abolição. Os equipamentos começaram a ser colocados no dia 24 de setembro e todos os 307 veículos da empresa devem ser equipados nos próximos meses. Nos ônibus de modelo convencional estão sendo instaladas quatro câmeras por veículo; já nos articulados serão colocadas seis. O investimento visa garantir a segurança dos passageiros, motoristas e cobradores, já que as câmeras coíbem assaltos e o vandalismo.

A campanha “Faça comigo seu Bilhete Único” está presente no campus da Universidade de Campinas (Unicamp) desde o dia 1° de outubro, em razão do grande número de alunos e funcionários que utilizam o transporte público em Campinas e podem aproveitar os benefícios do cartão Bilhete Único Comum. Os agentes de cadastramento poderão ser encontrados nos arredores do Restaurante Universitário, Restaurante da Saturnino, Restaurante Administrativo e na Praça do Básico.

A campanha “Faça comigo seu Bilhete Único”, lançada em setembro pela Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) com o objetivo de popularizar ainda mais o cartão Bilhete Único Comum, já teve mais de 2 mil novos cadastros até o momento.

Na segunda fase da campanha, que ocorrerá nos próximos 60 dias, as equipes vão continuar em alguns pontos do centro de Campinas e também irão passar por shoppings, universidades, hospitais e por terminais que não contam com ponto de venda da Transurc, como os terminais da Vila União, Vida Nova e Padre Anchieta. A meta é fazer 10 mil novos cartões nesse período. Atualmente, mais de 844 mil cartões BU Comum já estão cadastrados.

Nesse primeiro mês da campanha, dez agentes de cadastramento, vestindo um colete com o logotipo da Transurc, abordaram os passageiros que estavam nos pontos de ônibus mais movimentados da região central para oferecer o benefício. “A campanha tem como público-alvo aquelas pessoas que não têm tempo de se dirigir até a sede da Transurc ou aos terminais para fazer o cartão”, diz Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Transurc.

Na hora, por meio de um smartphone, o agente consegue verificar se o passageiro tem algum tipo de cartão cadastrado em seu nome e, caso não tenha, o Bilhete Único é feito imediatamente. O cartão vem pré-carregado com duas tarifas e, logo após o cadastramento, o usuário poderá aproveitar os benefícios do Bilhete Único.

Posteriormente, se o usuário quiser personalizar o cartão com o nome, poderá dirigir-se até a sede da Transurc. Os agentes de cadastramento do BU ficam nesses pontos de ônibus de segunda-feira a sexta-feira, das 9h às 17h.

 

Saiba onde fazer o seu cartão:

Av. Campos Salles X Rua José Paulino;

Av. Campos Salles X Rua Regente Feijó;

Av. Campos Salles X Av. Fco. Glicério;

Av. Moraes Salles X Rua José Paulino;

Terminal Metropolitano.