Três pessoas ficaram feridas em acidente envolvendo ônibus e caminhões na Avenida John Boyd Dunlop. O ônibus da linha 2.12 – Terminal Itajaí/Circular Rótula, prefixo 2935, estava parado no ponto em frente à PUC-Campinas, por volta das 8h35, para embarque e desembarque de passageiros quando um caminhão da Prefeitura, com um carrinho de piche acoplado, bateu na traseira do ônibus parado. Vinte pessoas estavam dentro do ônibus no momento.

Em seguida, um caminhão de lixo da Ceasa colidiu com o caminhão da Prefeitura. Com a batida, a roda do carrinho de piche se soltou e atingiu um Fiat Uno e um carro da Sanasa.

Além do congestionamento causado, já que o trânsito só foi liberado às 9h45, um passageiro machucou o braço, a cobradora bateu a testa e o motorista do caminhão da Prefeitura também se machucou. O passageiro e a cobradora foram encaminhados para o Hospital Ouro Verde.

Como o caminhão da prefeitura parou em cima da guia, uma das hipóteses do acidente é a perda de freio desse veículo. No entanto, apenas a Polícia Civil poderá afirmar com certeza a causa do acidente, após investigação.

Sete linhas de ônibus estão suspensas pela Emdec, desde às 5h, na região do São Domingos, Campo Belo e Jardim Fernanda por conta das manifestações que ocorrem nesta manhã, dia 11 de julho. Ao todo, são 36 veículos que cumprem o itinerário das linhas 191, 193, 194, 195, 196, 198 e 115 e estão parados no Terminal Central e no Terminal Ouro Verde. Cerca de 25 mil pessoas utilizam essas linhas diariamente. Vândalos quebraram duas chaves de ônibus no Terminal Ouro Verde há pouco.

Quatro veículos foram apedrejados ontem à noite na região do Campo Belo, quebrando os vidros laterais. O prejuízo é de R$ 3 mil.

Na segunda-feira, mais três ônibus da Onicamp Transporte Coletivo foram depredados e, agora, o número total chega a 17 veículos das concessionárias VB Transportes e Turismo, do Consórcio UrbCamp e da Onicamp atacados.

Ontem, dois dos veículos tiveram os vidros das janelas quebradas enquanto o outro teve o vidro da porta lateral. As ocorrências foram nas proximidades da Avenida Júlio Simões, no Jd. Nova Europa. Os prejuízos foram de R$ 1,5 mil.

Os ataques foram realizados durante as manifestações que ocorreram em Campinas na segunda-feira e nos dias 20 e 21 de junho. Dezesseis desses veículos, tipo convencional, tiveram para-brisas dianteiros e traseiros quebrados, vidros laterais e de janelas foram apedrejados. Um ônibus articulado também teve vidros quebrados, a janela de emergência e bancos arrancados.
A VB, que opera na área 1, teve quatro veículos quebrados, entre os quais o articulado. A Onicamp, que opera na área 4, teve oito ônibus depredados. O Consórcio UrbCamp, que opera na área 3, teve cinco veículos vandalizados. O prejuízo calculado pelas empresas é de cerca de R$ 32,5 mil.
Dezessete câmeras que ficam no interior dos ônibus da VB também foram arrancadas por vândalos, causando mais R$ 8,5 mil de prejuízo. A Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) e as concessionárias repudiam todo e qualquer ato de violência e vandalismo.

A tarifa do Sistema InterCamp é de R$ 3,00 a partir de hoje, dia 24 de junho, por decisão unilateral tomada pelo prefeito Jonas Donizette. Com isso, o passe escolar foi reduzido de R$ 1,32 para R$ 1,20. O valor da passagem das linhas Circular – Centro e Linhão da Saúde (5.01 e 5.02) também caiu de R$ 2,20 para R$ 2,00, no pagamento com o Bilhete Único. O uso do passe escolar nas duas linhas passou de R$ 0,88 para R$ 0,80.

O valor da passagem era de R$ 3,30 desde dezembro do ano passado e passaria para R$ 3,20 neste dia 30, sob a alegação da desoneração do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) para as empresas de transporte coletivo urbano. Depois que o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, e o governador Geraldo Alckmin, após enfrentarem uma série de manifestações em São Paulo, anunciaram a redução das tarifas de diversos modais de transporte de massa na última quarta-feira. No mesmo dia, algumas horas depois, Jonas Donizette anunciou a redução em Campinas, cidade que tem realidade diferente da de São Paulo.

A Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), organização mantida pela iniciativa privada e que tem como associadas as concessionárias VB Transportes e Turismo, Itajaí Transportes Coletivos, Onicamp Transporte Coletivo, Expresso Campibus e a Coletivos Pádova, reitera a sua posição e espera que a Prefeitura de Campinas tenha a mesma agilidade para tomar medidas concretas que tragam o reequilíbrio econômico-financeiro ao contrato de concessão.

O subsídio previsto para custear a tarifa no município de São Paulo é de R$ 1,25 bilhão, neste ano. Já em Campinas, atualmente o valor anual destinado ao pagamento parcial das gratuidades do Sistema InterCamp, composto pelas concessionárias e pelos permissionários, hoje representados por cooperativas, não atinge os R$ 36 milhões. E, desse montante, as concessionárias recebem cerca de R$ 25,5 milhões, enquanto o restante é compartilhado entre as cooperativas e o PAI Serviço, um programa que transporta gratuitamente porta-a-porta milhares de usuários portadores de deficiências. Para manter o Sistema InterCamp equilibrado será necessário um subsídio de, pelo menos, R$ 100 milhões ao ano em Campinas.

A Transurc e as concessionárias também pleiteam que o governo municipal desonere os tributos e taxas que incidem sobre o transporte urbano. Hoje, as empresas recolhem 2% de ISSQN (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza) e mais 2% a título de Taxa de Gerenciamento. Além disso, as operadoras também pedem ao prefeito Jonas Donizette trabalhe pela redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), hoje de 17%, que incide sobre o óleo diesel, importante insumo na composição dos custos. As concessionárias querem celeridade na retomada dos estudos e implantação de algumas medidas importantíssimas para que o transporte coletivo tenha prioridade em Campinas.

Algumas medidas que já foram discutidas com a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), o órgão gestor do transporte e trânsito no município, nesta e em gestões anteriores, precisam ser implantadas o mais rápido possível para que haja o aumento na velocidade comercial dos veículos utilizados diariamente por mais de 600 mil passageiros. Entre as medidas estão a criação de faixas exclusivas, o fim das linhas diametrais (muito longas e operacionalmente caras), retirada de lombadas dos itinerários, inversão de faixas em ruas e avenidas de grande fluxo nos horários de pico e a implantação de corredores dedicados aos ônibus. Hoje, o custo do Sistema InterCamp também se torna elevado porque os veículos do transporte coletivo ficam presos em congestionamentos, junto aos demais veículos particulares, de carga e motocicletas.

Se o Sistema InterCamp tiver uma velocidade média maior, com certeza, aumentará a atratividade para mais passageiros o que, em última instância, acabaria ajudando ainda mais na redução dos custos. Afinal, o valor de uma tarifa é calculado levando-se em consideração o custo total do sistema, dividido pelo número de usuários que pagam a passagem.
Apenas no subsistema operado pelas concessionárias, o número de passageiros econômicos (os que pagam passagem) é de 8.709.093 por mês.

Na sexta-feira, mais dois ônibus do Consório UrbCamp foram depredados e, agora, o número total chega a 14 veículos das concessionárias VB Transportes e Turismo, do Consórcio UrbCamp e da Onicamp Transporte Coletivo atacados. Os ataques foram realizados durante as manifestações que ocorreram em Campinas na quinta e na sexta-feira. Treze desses veículos, tipo convencional, tiveram para-brisas dianteiros e traseiros quebrados, vidros laterais e de janelas foram apedrejados. Um ônibus articulado também teve vidros quebrados, a janela de emergência e bancos arrancados.

A VB, que opera na área 1, teve quatro veículos quebrados, entre os quais o articulado. A Onicamp, que opera na área 4, teve cinco ônibus depredados. O Consórcio UrbCamp, que opera na área 3, teve cinco veículos vandalizados. O prejuízo calculado pelas empresas é de cerca de R$ 31 mil.

Dezessete câmeras que ficam no interior dos ônibus da VB também foram arrancadas por vândalos, causando mais R$ 8,5 mil de prejuízo. A Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) e as concessionárias repudiam todo e qualquer ato de violência e vandalismo.

(atualizada às 11h26)

Doze veículos das concessionárias VB Transportes e Turismo, do Consórcio UrbCamp e da Onicamp Transporte Coletivo foram atacados ontem por vândalos, durante as manifestações que ocorreram em Campinas. Onze desses veículos, tipo convencional, tiveram para-brisas dianteiros e traseiros quebrados, vidros laterais e de janelas foram apedrejados. Um ônibus articulado também teve vidros quebrados, a janela de emergência e bancos arrancados.

A VB, que opera na área 1, teve quatro veículos quebrados, entre os quais o articulado. A Onicamp, que opera na área 4, teve cinco ônibus depredados. O Consórcio UrbCamp, que opera na área 3, teve três veículos vandalizados. O prejuízo calculado pelas empresas é de cerca de R$ 30 mil.

Dezessete câmeras que ficam no interior dos ônibus da VB também foram arrancadas por vândalos, causando mais R$ 8.500 de prejuízo. A Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) e as concessionárias repudiam todo e qualquer ato de violência e vandalismo.

(atualizada às 10h26)

Doze veículos das concessionárias VB Transportes e Turismo, do Consórcio UrbCamp e da Onicamp Transporte Coletivo foram atacados ontem por vândalos, durante as manifestações que ocorreram em Campinas. Onze desses veículos, tipo convencional, tiveram para-brisas dianteiros e traseiros quebrados, vidros laterais e de janelas foram apedrejados. Um ônibus articulado também teve vidros quebrados, a janela de emergência e bancos arrancados.

A VB, que opera na área 1, teve quatro veículos quebrados, entre os quais o articulado. A Onicamp, que opera na área 4, teve cinco ônibus depredados. O Consórcio UrbCamp, que opera na área 3, teve três veículos vandalizados. O prejuízo calculado pelas empresas é de cerca de R$ 30 mil.

Diversas câmeras que ficam no interior dos ônibus da VB também foram arrancadas por vândalos. A empresa ainda contabiliza mais esse prejuízo e tão logo tenha a quantidade, faremos um balanço final. A Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) e as concessionárias repudiam todo e qualquer ato de violência e vandalismo.

Doze veículos das concessionárias VB Transportes e Turismo, do Consórcio UrbCamp e da Onicamp Transporte Coletivo foram atacados ontem por vândalos, durante as manifestações que ocorreram em Campinas. Onze desses veículos, tipo convencional, tiveram para-brisas dianteiros e traseiros quebrados, vidros laterais e de janelas foram apedrejados. Um ônibus articulado também teve vidros quebrados, a janela de emergência e bancos arrancados.

A VB, que opera na área 1, teve quatro veículos quebrados, entre os quais o articulado. A Onicamp, que opera na área 4, teve cinco ônibus depredados. O Consórcio UrbCamp, que opera na área 3, teve três veículos vandalizados. O prejuízo calculado pelas empresas é de cerca de R$ 30 mil. A Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) e as concessionárias repudiam todo e qualquer ato de violência e vandalismo.

As concessionárias do transporte público de Campinas sempre têm vagas abertas para quem está disposto a trabalhar. Além da estabilidade e das oportunidades de crescimento, as empresas oferecem diversos benefícios: vale-refeição, cesta básica, assistência médica, assistência odontológica e transporte gratuito.

As quatro garagens com vagas estão distribuídas pela cidade e o ideal é que o candidato more próximo da empresa em que deseja trabalhar, por causa da disponibilidade total de horário.

Para o cargo de motorista é exigido CNH D ou E, curso de transporte de passageiros atualizado, experiência em CTPS de seis meses a um ano na direção de veículos de grande porte e estudo até a 4ª série do Ensino Fundamental.

Já para cobradores não é necessário ter experiência, mas é preciso ter, pelo menos, Ensino Fundamental completo.

Para as vagas específicas, como mecânico, eletricista, borracheiro, tapeceiro, etc., é preciso ter experiência mínima de seis meses na área.

Dentro das empresas os funcionários têm oportunidade de crescer na carreira, pois o investimento na formação e na capacitação é grande, com treinamentos e cursos específicos.

 

Confira as oportunidades:

 

Onicamp Transporte Coletivo

Estão abertas vagas para: motorista, cobrador(a), eletricista em autos, mecânico de veículos pesados e funileiro. Os interessados devem ir até a garagem da empresa, que fica na Rua Antonio Menas Filho, 264, Jardim Mercedes, para preenchimento de formulário. Documentos pessoais e a Carteira de Trabalho são necessários. Onicamp Transporte Coletivo

O currículo pode ser entregue na Rua Octavio Chinelato, 15, Vl. Aeroporto, ou enviado por e-mail para onibusmotorista@gmail.com. Estão abertas vagas para: motorista, cobrador(a) e mecânico diesel.

Itajaí Transportes Coletivos

O currículo pode ser entregue na Rua Vinte Dois, 390, Parque Valença 1, ou por e-mail para rh.transportec@gmail.com. Vagas abertas para: motorista, cobrador(a) e serviços gerais.

Expresso Campibus

O currículo pode ser entregue na Rodovia Jornalista Francisco Aguirre Proença, Lado Ímpar (SP-101), Parque Sta. Bárbara, por e-mail para cv@campibus.com.br ou no site www.campibus.com.br. Estão abertas vagas para: motorista, cobrador(a), almoxarife, borracheiro, mecânico socorrista e mecânico diesel.

VB Transportes e Turismo – garagem Bonfim

O currículo pode ser entregue na Rua Expedicionário Paulo Tansine, 201, Bonfim. Levando os documentos e a Carteira de Trabalho, o interessado também pode preencher cadastro no local. O currículo ainda pode ser enviado pelo site www.vbtransportes.com.br ou para o e-mail vagas@vbtransportes.com.br. Estão abertas vagas para: motorista, cobrador(a), auxiliar de plataforma, tapeceiro, eletricista em autos, mecânico de veículos pesados e auxiliar de limpeza.

VB Transportes e Turismo – garagem Ouro Verde

Estão abertas vagas para: motorista, cobrador(a), eletricista em autos, mecânico de veículos pesados e funileiro. Os interessados devem ir até a garagem da empresa, que fica na Rua Antonio Menas Filho, 264, Jardim Mercedes, para preenchimento de formulário. Documentos pessoais e a Carteira de Trabalho são necessários.

As vagas para o Programa Escolas nas Garagens no primeiro semestre já estão esgotadas. As escolas que querem participar do passeio no próximo semestre e ainda não agendaram uma data com o setor de Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) devem entrar em contato pelo telefone (19) 3731-2643 ou pelo e-mail marketing@transurc.com.br o quanto antes.

Na semana em que a visita for realizada, a Transurc entrará em contato com a escola e solicitará o envio da lista de alunos, das autorizações dos pais ou responsáveis e do nome dos acompanhantes adultos (um para cada grupo de 15 crianças).

Escolas nas Garagens – No passeio, que acontece todos os dias de manhã e à tarde, os alunos recebem informações sobre cidadania e preservação ambiental, e conhecem pontos históricos da cidade. No Centro, as crianças tomam um lanche na Choperia Giovannetti. Depois, vão até uma das garagens das concessionárias, onde veem a rotina do sistema e o processo de manutenção dos veículos.

Em seguida, assistem a uma peça de teatro e participam de um Concurso de Pintura mensal, cujo vencedor ganha, para ele e para a família, um passeio na maria-fumaça, que circula entre Campinas e Jaguariúna, cortesia da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF).

Ao final do passeio, no retorno à escola, os alunos recebem um kit escolar com caneta, régua, adesivos e cadernos. O programa tem o apoio da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec).

O programa existe desde 2004 e é uma iniciativa da Transurc e das concessionárias do transporte coletivo urbano de Campinas. Desde o início, já participaram mais de 85 mil crianças.