Site Móvel Transurc

A Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) lançou hoje, às 10 horas, o seu site móvel, acessível por telefones celulares (smartphones) e tablets. O novo site possibilita a consulta do saldo de todos os tipos de cartão Bilhete Único, além do endereço dos postos de venda Transurc e dos Representantes Credenciados.

“Esta é mais uma ferramenta para trazer comodidade aos clientes da Transurc. Como uma instituição que tem os seus serviços fortemente ligados à tecnologia da informação, a Transurc tem como um dos seus principais objetivos facilitar a vida de seus usuários”, comenta Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Transurc.

O usuário que acessar o site da Transurc por meio do celular ou tablet será redirecionado automaticamente para a versão móvel da página (m.transurc.com.br).

Mudanças contínuas

A Transurc lançou no dia 20 de maio seu novo website. Com design mais clean, as informações que tratam das atividades desenvolvidas pela Transurc ganharam mais destaque. Um novo link denominado Recarregue Fácil foi implantado. Neste link, o usuário poderá verificar os endereços dos Representantes Credenciados da Transurc nos quais poderá efetuar a recarga de créditos.

A Transurc e a associada Coletivos Pádova estão apoiando mais uma produção cinematográfica nacional, cujo título é Entre Vales e Montanhas. No elenco do filme, que tem estreia no circuito nacional em 2013, está o ator Ângelo Antonio. A Pádova cedeu um ônibus para as filmagens. Entre Vales e Montanha é um filme de ficção. Narra a saga de Antônio, que recupera a dignidade a partir do lixo, após ter a vida destruída. Em maio, a Transurc e a VB, também associada, deram apoio ao filme “A Cadeira do Pai”, protagonizado por Wagner Moura, e que deve estrear em 2012.

Desrespeito. Esta foi a palavra mais ouvida pela reportagem de O Coletivo quando perguntamos aos usuários do sistema de transporte coletivo urbano de Campinas sobre as pessoas que utilizam seus aparelhos de telefone celular para ouvir música em alto volume dentro dos ônibus.
Para os jovens, além da falta de respeito, o som alto é uma invasão de privacidade. “Trabalho, estudo e, à noite, quando estou voltando para casa, gosto de relaxar no ônibus. Mas em algumas oportunidades, infelizmente, sou atrapalhado pelo som alto que vem do celular de outra pessoa”, explica Jean Adriel Alexandre, de 17 anos, que utiliza a linha 1.91.
Já para a menina Samara de Sousa Dias, de 15 anos, o desrespeito independe do gosto musical das pessoas. “Não importa nem mesmo se estiver tocando alguma música que eu gosto. Seja funk, axé, sertanejo ou qualquer outro ritmo, a atitude de ouvir música num volume alto é uma falta de respeito com o próximo”, complementa.
As pessoas de mais idade também se sentem incomodadas com a situação, como é o caso de Anadir Josefina Jacomeli Vieira. “Eu acabo ficando calada, pois tenho medo de não ser respeitada”, comenta. Já José Campana se revolta com a situação. “Já peguei muito ônibus com gente ouvindo música alta. Eu sempre reclamo, mas nem todo mundo respeita e abaixa o volume”.
No volante
Mas se engana quem pensa que o som alto atrapalha apenas os passageiros. Alex Alexandre Ferreira, motorista da Expresso Campibus, reclama que o volume alto atrapalha na hora de conduzir o veículo. “Além de tirar a concentração, atrapalha bastante na comunicação como cobrador e, também, na hora de ouvir o aviso sonoro de parada”, explica.
Ele confessa que pede aos passageiros que reduzam o volume ou usem fones de ouvido, mas nem sempre seu desejo é respeitado.
“Muitos olham para nós tirando sarro e, às vezes, até aumentam o volume para nos desafiar”, revela.
Solução
Para Jean e Samara, a solução mais prática e democrática é o uso dos fones de ouvido. “Eu, inclusive, não saio de casa sem o meu. Assim posso ouvir a música que quero, sem incomodar as pessoas próximas”, revela.
Para o rapaz, a questão é tão importante que ele confessa já ter dado broncas em colegas que ouviam som alto perto dele. “Eu questiono, dou bronca e peço para que usem os fones. Hoje é um equipamento tão comum, que vem em todos os telefones celulares e pode ser comprado em várias lojas da cidade”, completa.
Garagem da Itajaí é afetada por temporal

A garagem da Itajaí Transportes e Turismo, concessionária do transporte coletivo urbano de Campinas que opera na área 2 (vermelha), sofreu com o temporal que atingiu a cidade na noite da última terça-feira (7 de junho). No local, que fica no bairro Parque Valença II, houve queda de árvores e todos os vestiários foram destelhados, assim como parte do setor de Manutenção. Além disso, a sede da garagem ficou sem energia elétrica por 8 horas seguidas, fato que trouxe transtornos para o abastecimento e limpeza da frota. Apesar disso, nenhum atraso foi registrado.

Todos da gerência e diretoria da empresa estiveram presentes no local durante a madrugada para garantir que todos os ônibus mantivessem os seus horários. Nenhuma pessoa ficou ferida e os estragos já foram reparados.

A Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) lança nesta sexta-feira (20 de maio) seu novo website. Com um conceito diferente do anterior, a página ganhou um visual mais limpo, que facilita a navegação e prioriza as informações mais importantes para os clientes da associação.

“A recarga online do Bilhete Único Comum e Vale-Transporte ganhou destaque. Dessa forma, o website fica mais vinculado com a missão da associação, que é a venda de passes para ônibus urbanos”, explica Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Transurc.

A mudança também tem como objetivo dissociar a ideia errônea que ainda muitas pessoas têm sobre o papel da associação na comunidade. “Diferentemente do que muitos pensam, a Transurc não tem ônibus e também não é responsável pelos itinerários e linhas do sistema de transporte coletivo da cidade, que são de competência da Emdec”, completa Barddal. Recentemente, na tentativa de consolidar a desvinculação de operadora do transporte, a Transurc mudou o seu slogan para “Seu Passe Inteligente.”

A Rede Credenciada também ganhou espaço diferenciado na nova ferramenta. Uma aba lateral possibilita o cadastramento de novos estabelecimentos e o acesso às informações do sistema para aqueles que já são cadastrados.

Em seu oitavo ano de existência, programa já atendeu mais de 72 mil alunos

O Programa Escolas nas Garagens, que teve reinício em fevereiro, continua recebendo inscrições. Existente desde 2004, essa iniciativa da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) e das concessionárias do transporte coletivo urbano da cidade já recebeu mais de 72 mil crianças. No passeio, que acontece todos os dias nos períodos da manhã e da tarde, os alunos recebem informações sobre cidadania e preservação ambiental, além de visitar pontos históricos da cidade.

No Centro, as crianças tomam um lanche na Choperia Giovannetti. Depois, vão até uma das garagens das concessionárias, onde conhecem a rotina do sistema e o processo de manutenção dos veículos. Em seguida, assistem a uma peça de teatro e participam de um concurso de pintura, cujo vencedor ganha, além de destaque no jornal O Coletivo, um passeio na maria-fumaça para ele e a família. O trem circula entre as cidades de Campinas e Jaguariúna e o prêmio é uma cortesia da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF).

Ao final do passeio, no retorno à escola, os alunos recebem um kit escolar com caneta, régua, adesivos e cadernos e um livro com temática educativa, cortesia da Fundação Educar-DPaschoal. O programa tem, ainda, o apoio da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec).

Para poder participar desta experiência inesquecível, os responsáveis pelas escolas públicas estaduais e municipais de Campinas devem entrar em contato com a Diretoria de Comunicação e Marketing da Transurc pelo telefone (19) 3731-2643. As vagas são limitadas e a inscrição é gratuita.

A Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) iniciou as obras de adaptação do novo local que receberá seu Posto de Venda no Terminal Ouro Verde. Com orçamento de R$ 70 mil, o novo local tem como principal melhoria a possibilidade de atender os usuários que estão nas plataformas do terminal e também aqueles que estão do lado de fora.

“O novo Posto de Venda resolverá o problema das pessoas que estavam fora do Terminal Ouro Verde e tinham dificuldade para conseguir adquirir créditos para o Bilhete Único”, explica Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Transurc.

O novo posto terá, também, mais espaço interno para circulação, sanitários independentes, ar-condicionado e uma pequena copa, que darão mais conforto para os colaboradores.

“Por fora, o local obedecerá ao novo padrão visual adotado pela Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) e receberá um sistema de controle biométrico de acesso ao Hortoshopping”, completa Barddal.

Já o local que atualmente abriga o posto passará por reformas que o transformarão em fraldário e sanitário adaptado para os usuários do terminal. As obras começaram em abril e têm término previsto para junho.

A Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) informa que o Expresso Bilhete Único ficará estacionado na Avenida Francisco Glicério, altura do nº 989, em frente a Catedral Metropolitana de Campinas a partir desta segunda-feira (9 de maio).

O micro-ônibus adesivado da associação permite ao usuário fazer o cadastro para o Bilhete Único Comum, a recarga e consulta desse tipo de cartão de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas. Além disso, o Bilhete Único é feito na hora. Hoje, não existe qualquer tipo de burocracia para fazer o Bilhete Único Comum.

“O cadastro é realizado sem qualquer custo, a emissão do BU é feita na hora e a própria recarga, que pode ser feita com o valor que o cliente desejar, é possível em mais de 300 pontos dos Representantes Credenciados da Transurc, além dos terminais e do Poupatempo Centro”, explica Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Transurc.

O Expresso Bilhete Único foi criado pela Transurc para oferecer mais comodidade e facilidade de acesso para os usuários do transporte coletivo urbano de Campinas que ainda pagam suas viagens com dinheiro.

“É importante salientar que as pessoas que pagam a passagem em dinheiro não têm direito à integração. Estamos insistindo para aqueles que ainda não usam o Bilhete Único que passem a utilizá-lo mesmo que não usufruam da integração. Mais por uma questão de cidadania, já que notamos um aumento no número de assaltos e, se mais pessoas passarem a usar o BU, conseguiremos reduzir o principal atrativo para os assaltantes, que é o dinheiro dentro dos veículos do transporte coletivo”, completa Barddal.

Para efetuar o cadastro, o interessado precisa levar a Carteira Nacional de Habilitação ou a carteira de identidade (RG) e o CPF. Além disso, quem utiliza o Bilhete Único pode recuperar os créditos em caso de perda, roubo, furto ou inutilização do cartão. Basta entrar em contato com a Transurc pelo 0800 014 02 04, pedir o bloqueio do cartão original e solicitar a emissão de uma segunda via. O saldo do cartão antigo será automaticamente transferido para o novo.

Além das manutenções constantes às quais são submetidos todos os ônibus das empresas concessionárias do transporte coletivo urbano de Campinas, toda a frota passa por uma rígida inspeção que atesta a qualidade dos veículos.

“Os ônibus passam por uma inspeção semestral que verifica o funcionamento de todos os sistemas e, depois de aprovados, recebem um selo que garante a qualidade e possibilita o tráfego desses carros até o próximo período de inspeções”, explica Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc).

Vale ressaltar que todas as garagens têm planos de manutenção preventiva, garantindo que cara ônibus da frota da cidade passe periodicamente por revisões. “A manutenção preventiva é fundamental para evitarmos problemas futuros. Quando uma peça ou sistema é diagnosticado com algum problema, sua troca é efetuada imediatamente. Isso evita que o veículo quebre enquanto circule nas ruas e garante a segurança e a qualidade do transporte na cidade”, completa Barddal.

Biodiesel

Além da segurança dos ônibus, as empresas responsáveis pelo transporte coletivo urbano de Campinas se preocupam com a manutenção do meio ambiente. Por isso, desde o início deste ano, toda a frota da cidade é movida pelo biodiesel S-50, que emite apenas 50 partes por milhão (ppm) de enxofre (S) após a queima no motor.

“Se compararmos com o combustível utilizado anteriormente (diesel S-500), o S-50 libera 10 vezes menos enxofre na atmosfera. Num primeiro momento, a redução de material particulado emitido para a atmosfera é de 5%, mas pode chegar a 70% no futuro”, finaliza Barddal.

O material particulado é um conjunto de poluentes constituído de poeiras, fumaças e todo tipo de material sólido e líquido, que se mantêm suspensos na atmosfera por causa de seu pequeno tamanho, têm potencial de causar riscos à saúde e são responsáveis pela chuva ácida.

Jornal passa a ser impresso como um tabloide, formato mais atraente e que facilita a leitura

O jornal O Coletivo, buscando sempre inovar e tornar sua leitura cada vez mais fácil, traz mais uma mudança gráfica a partir desta edição. O formato utilizado para impressão passa a ser o tabloide, no qual cada página mede aproximadamente 33 x 28 cm, as notícias são tratadas num formato mais curto e o número de imagens e fotos costuma ser maior do que em outros formatos.

Recentemente, quando completou 100 edições publicadas, o jornal ganhou novas cores e vinhetas. Com esta reformulação, O Coletivo fica ainda mais atraente e com fácil identificação das colunas fixas e matérias abordadas.

História

Os primeiros tabloides foram desenvolvidos em Londres, na Inglaterra, e até hoje os jornais que mantêm este formato são famosos em todo o mundo, principalmente pela constante publicação de matérias escandalosas e nem sempre verídicas.

Jornais de outros países, como o alemão Bild, também adotaram o formato tabloide, considerado de fácil manipulação e mais atraente aos olhos do leitor. No Brasil, o formato é usado em jornais como o Metro e o Zero Hora.