Pelo terceiro sábado consecutivo, ônibus do transporte coletivo é depredado por gangue que sai de baile funk realizado no Parque Oziel

A VB Transportes e Turismo, concessionária que opera as linhas azuis, na Região do Ouro Verde, teve na manhã deste sábado, por volta das 5h30, mais um ônibus quebrado por vândalos. É o terceiro sábado consecutivo que o crime de vandalismo é cometido por jovens que freqüentam um baile funk que acontece no Parque Oziel.

A forma de agir da gangue é sempre a mesma: após o fim do “pancadão” um grupo com jovens entre 15 a 20 anos (entre os quais têm várias mulheres) atravessa a Rodovia Santos Dumont e se aglomera nas proximidades do Campinas Shopping, sentido Centro-Ouro Verde. “O grupo, que tem entre 60 a 80 pessoas, invade o ônibus da linha 1.20 – Terminal Ouro Verde/Terminal Central, e ninguém paga a passagem. Logo após, os integrantes começam a quebrar os vidros e a arrancar as janelas de emergência dos veículos”, explica Paulo Barddal, diretor de Comunicação da VB.

O primeiro caso desse tipo de vandalismo ocorreu no dia 25 de fevereiro, no mesmo horário do que ocorreu no dia 3 de março, cujo crime gerou um Boletim de Ocorrência. “A empresa já havia solicitado acompanhamento por parte da Polícia Militar mas não teve o seu pleito atendido. Hoje, por exemplo, o motorista levou o ônibus até a base da 3ª Companhia da Polícia Militar com todos os envolvidos no crime dentro do veículo. Mas, ao chegar na base da PM, o policial que estava lá dispensou todo mundo e orientou o motorista para que fosse lavrar o Boletim de Ocorrência no plantão da Polícia Civil”.

A VB Transportes e Turismo, apenas com esses três casos de vandalismo, já registra um prejuízo de R$ 5 mil apenas com o valor referente às peças, sem levar em consideração o tempo que o ônibus tem de ficar parado para ser consertado e o valor referente à mão de obra. A empresa sempre tem sido vítima desse tipo de crime. Mensalmente, em média, ela registra pelo menos cinco casos, dos quais a maioria acontece no mesmo lugar, nas proximidades da passarela do Parque Oziel, onde crianças e adolescentes têm como “hobby” apedrejar ônibus e demais veículos que passam pelo local.