A disputa sindical que está causando diversos prejuízos ao transporte coletivo em Campinas se acirrou a partir de março de 2008, quando a diretoria do Sindicato dos Rodoviários de Campinas e Região se envolveu em um escândalo de extorsão contra a empresa de convênio médico Máster Saúde Assistência Médica, plano utilizado por grande parte dos colaboradores do ramo do transporte na época. Com esse fato, opositores à atual diretoria do sindicato ganharam espaço junto à categoria.

Desde então, situação e oposição do sindicato têm travado disputa pelo poder, a qual atinge de forma direta a população, os funcionários e as concessionárias.

Abaixo, algumas das principais ações ao longo dos últimos anos:

 

28 de março de 2008 – O presidente do Sindicato dos Rodoviários, Matusalém de Lima, o tesoureiro Gabriel Francisco de Souza e o secretário-geral Izael Soares de Almeida, juntamente com a advogada Kátia Gomide e o marido dela, o assessor sindical Marcos Cará, são indiciados por crime de extorsão e formação de quadrilha. Os sindicalistas são acusados de tentar extorquir R$ 600 mil do plano de saúde Máster. O opositor José Júlio dos Santos assumiu a presidência do sindicato. Lima foi preso na própria casa sob suspeito de extorsão;

 

16 de abril de 2009 – manifestantes foram à garagem da VB Transportes e Turismo, localizada no bairro Bonfim (área 3), e ao Terminal Central para incitar a paralisação d a categoria. A justificativa dada para a manifestação foi a de que as empresas não estariam interessadas em negociar a pauta de reivindicações apresentada mas a ação foi feita com objetivo de dar visibilidade à nova diretoria, formada por José Júlio;

 

07 de maio de 2009 – a Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) foi surpreendida pela decisão do Sindicato dos Rodoviários de anunciar uma greve para o dia 11 de maio (segunda-feira), anunciada na Imprensa local na quinta-feira anterior (07/05). As empresas e os sindicalistas estavam em pleno período de negociação, reuniões e debates. A ação do sindicato foi, novamente, precipitada e demonstrou novamente a necessidade de ganhar apoio e visibilidade junto aos trabalhadores;

 

15 de novembro de 2011 – 1.400 motoristas e cobradores da VB Transportes e Turismo no bairro Jardim Mercedes (área 1) atrasaram em três horas e meia a saída dos 294 ônibus que compõem a frota operacional. O sindicato alegou que a empresa estaria descumprindo cláusulas do acordo coletivo, entre as quais o não-pagamento de horas-extras. Auditoria feita pela empresa comprovou que não havia nenhuma irregularidade;

 

11 e 12 de dezembro de 2011 – tentando reforçar sua posição, a oposição do sindicato paralisou a VB1 no dia 11, antecipando a ação dos diretores do sindicato que ameaçaram paralisar a empresa no dia 13. Para não perder espaço diante dos trabalhadores, a situação paralisou a mesma empresa no dia 12, prejudicando mais de 170 mil passageiros que ficaram sem transporte e tiveram os seus compromissos prejudicados;

 

23 de março de 2012 – manifestantes ligados ao Sindicato dos Rodoviários atrasaram o início da operação na VB3, das 6h30 às 7h30, sob alegação de que queriam melhorias nas condições de infraestrutura nos terminais de ônibus;

 

10 de maio de 2012 – a tentativa da criação de um novo sindicato da categoria, formado pelos dissidentes opositores de Matusalém de Lima, motivou a paralisação por 5 horas dos 286 ônibus da VB3. Até mesmo os colaboradores da garagem foram pegos de surpresa, sem saber o motivo de serem impedidos de trabalhar. O movimento ocorreu porque membros do Sindicato dos Rodoviários impediram a realização do que seria a assembléia oficial do novo sindicato, na tarde do dia 9. Em represália, os dissidentes bloquearam a saída dos ônibus da garagem, prejudicando 160 mil usuários;

 

15 de maio de 2012 – integrantes do Sindicato do Rodoviários e colaboradores da VB3 simpatizantes ao grupo de oposição entram em confronto na garagem da VB3. No confronto, colaboradores da VB são agredidos após haver discordância entre os integrantes da categoria sobre a participação na greve, marcada para a zero hora de quarta-feira, dia 16.