Desrespeito. Esta foi a palavra mais ouvida pela reportagem de O Coletivo quando perguntamos aos usuários do sistema de transporte coletivo urbano de Campinas sobre as pessoas que utilizam seus aparelhos de telefone celular para ouvir música em alto volume dentro dos ônibus.
Para os jovens, além da falta de respeito, o som alto é uma invasão de privacidade. “Trabalho, estudo e, à noite, quando estou voltando para casa, gosto de relaxar no ônibus. Mas em algumas oportunidades, infelizmente, sou atrapalhado pelo som alto que vem do celular de outra pessoa”, explica Jean Adriel Alexandre, de 17 anos, que utiliza a linha 1.91.
Já para a menina Samara de Sousa Dias, de 15 anos, o desrespeito independe do gosto musical das pessoas. “Não importa nem mesmo se estiver tocando alguma música que eu gosto. Seja funk, axé, sertanejo ou qualquer outro ritmo, a atitude de ouvir música num volume alto é uma falta de respeito com o próximo”, complementa.
As pessoas de mais idade também se sentem incomodadas com a situação, como é o caso de Anadir Josefina Jacomeli Vieira. “Eu acabo ficando calada, pois tenho medo de não ser respeitada”, comenta. Já José Campana se revolta com a situação. “Já peguei muito ônibus com gente ouvindo música alta. Eu sempre reclamo, mas nem todo mundo respeita e abaixa o volume”.
No volante
Mas se engana quem pensa que o som alto atrapalha apenas os passageiros. Alex Alexandre Ferreira, motorista da Expresso Campibus, reclama que o volume alto atrapalha na hora de conduzir o veículo. “Além de tirar a concentração, atrapalha bastante na comunicação como cobrador e, também, na hora de ouvir o aviso sonoro de parada”, explica.
Ele confessa que pede aos passageiros que reduzam o volume ou usem fones de ouvido, mas nem sempre seu desejo é respeitado.
“Muitos olham para nós tirando sarro e, às vezes, até aumentam o volume para nos desafiar”, revela.
Solução
Para Jean e Samara, a solução mais prática e democrática é o uso dos fones de ouvido. “Eu, inclusive, não saio de casa sem o meu. Assim posso ouvir a música que quero, sem incomodar as pessoas próximas”, revela.
Para o rapaz, a questão é tão importante que ele confessa já ter dado broncas em colegas que ouviam som alto perto dele. “Eu questiono, dou bronca e peço para que usem os fones. Hoje é um equipamento tão comum, que vem em todos os telefones celulares e pode ser comprado em várias lojas da cidade”, completa.