A Itajaí Transportes Coletivos, concessionária que opera o transporte coletivo na região do Campo Grande (área 2), teve nove veículos depredados na madrugada de sábado para domingo. Ao todo, 40 vidros laterais, dois parabrisas dianteiros, um parabrisa traseiro e um vidro do itinerário foram quebrados, contabilizando um prejuízo aproximado de R$ 12 mil. A expectativa é de que todos os veículos estejam consertados até a tarde desta terça (27/03).

“Algumas das pedras eram tão grandes que chegaram a rasgar a lataria dos ônibus. Por isso a população ficou prejudicada com a ausência de quatro ônibus, que não tiveram condições de circular”, explicou Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), a qual a Itajaí é associada.

Nos piores casos, dois dos veículos atacados tiveram dez vidros quebrados cada. A Itajaí já havia sofrido com o vandalismo durante o Carnaval, quando seis de seus carros também foram alvos de depredação durante as comemorações descentralizadas que foram promovidas na cidade.

Desrespeito com a comunidade

O vandalismo também acaba mexendo com o bolso do passageiro, pois o cálculo da tarifa no transporte urbano inclui os gastos com os reparos. “Enquanto as autoridades não tomarem atitudes preventivas e corretivas, os cidadãos de bem vão continuar a sofrer consequências dos atos irresponsáveis de alguns deliquentes. Vale lembrar que o valor da passagem é calculado de acordo com o número de passageiros transportados, mais o volume do subsídio a estudantes, idosos e outros benefícios à população. Se não existissem os gastos com vandalismo, haveria um impacto menor nos reajustes de tarifas”, completou Barddal.