A VB Transportes e Turismo, concessionária que opera 55 linhas na área verde, fez uma nova proposta para resolver a paralisação juntos aos funcionários. A empresa propôs que, até o dia 30 deste mês, os colaboradores paguem apenas o valor do convênio médico (R$ 37,99 para o motorista e R$ 16,54 para o cobrador). Esses são os valores por vida, já descontados os percentuais pagos pela empresa.

E, até o dia 30, também não será cobrada qualquer tipo de coparticipação, seja nos exames médicos simples ou complexos ou em consultas que excedam a quantidade estipulada em contrato com a Amil.

Até o dia 20 de agosto, a VB fará uma nova cotação no setor de convênio médico e apresentará o estudo ao Sindicato dos Rodoviários de Campinas e Região e aos funcionários. A VB fez essa nova proposta agora à tarde para que o sindicato levasse a mesma aos seus funcionários.

“A VB está fazendo tudo o que está ao seu alcance para resolver esse problema que afeta o dia a dia dos usuários. Quando mudamos o convênio simplesmente atendemos a uma reivindicação da categoria. Ontem, nos reunimos com os trabalhadores e estava tudo acertado mas hoje, novamente, fomos surpreendidos com o movimento”, argumenta Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Transurc, à qual a VB é associada.

A VB classificou de irresponsável a atitude dos funcionários que colocaram os seus ônibus bloqueando avenidas de grande fluxo em Campinas e deixa claro que sempre esteve aberta às negociações com a categoria.